top of page

ESG: REFLORESTAMENTO E BIODIVERSIDADE


Nós, na GDSUN, conduzimos nossas atividades com cuidado constante nos ambientes onde operamos. Utilizamos os mais avançados recursos tecnológicos na instalação, manutenção e em todo o ciclo de operação das usinas, não nos limitando à eficiência operacional, mas adotando as melhores práticas que resultem no menor impacto possível aos ecossistemas no entorno das nossas usinas. 

 

Foi nesse contexto que conhecemos o projeto “Corredores de Vida”. Desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê), o projeto atua no Pontal do Paranapanema, no oeste paulista, uma região extremamente afetada pela devastação durante décadas. Com um programa chamado “Nascentes”, são desenvolvidos corredores ecológicos sustentados pelo tripé Clima, Comunidade e Biodiversidade, como explica o engenheiro florestal Laury Cullen, responsável pelo projeto:

 

“Cada hectare plantado são 2 mil árvores, isso faz uma diferença excepcional para os nossos objetivos. Toda área implantada é produzida em viveiros de base comunitária, temos 15 viveiros que produzem 6 milhões de mudas por ano, isso tem um forte componente na geração de renda, qualidade de vida e segurança alimentar para a comunidade. E, em relação à biodiversidade, as florestas plantadas ajudam a sobrevivência de muitas espécies ameaçadas”.

 

Em três anos, foram reflorestados aproximadamente 4.000 hectares em corredores ecológicos e plantadas 7 milhões de árvores dentro do mapa de áreas prioritárias para a conservação da Mata Atlântica regional. A meta é restaurar 60.000 hectares até 2040.

 

Ao participar do projeto “Corredores de Vida” materializamos o comprometimento que temos com o  desenvolvimento sustentável.  Esperamos inspirar outras  empresas a colaborarem  efetivamente para  o alcance de seus  objetivos ambientais e sociais de longo prazo.

Comentários


bottom of page